terça-feira, 18 de abril de 2017

Ler X Estudar!

Já me perguntei porque uma pessoa devora um livro como 50 Tons de Cinza, Harry Potter e o Cálice de Fogo ou mesmo As Crônicas de Narnia. E se você perguntar qualquer coisa sobre o conteúdo dos livros, a resposta está quase que na ponta da língua. Porém, quando se lê um livro de Física, ou mesmo um livro de filosofia como A Estrutura das Revoluções Científicas, normalmente isto é feito com uma dificuldade muito grande, além disso, o entendimento não é pleno.

Não creio que o problema esteja apenas no conteúdo, pois não é simples saber como funcionam as Relíquias da Morte (conteúdo do Harry Potter), como também não é simples entender as características dos movimentos. Creio que a diferença esteja na motivação e num aspecto que pouca gente se dá conta: é difícil ser estudante!

Quantos não chegam no domingo num almoço em família na casa de uma tia e as pessoas começam a perguntar: "Tá estudando pro ENEM?". Aquele primo, mais velho, que já tá numa faculdade particular chega e pergunta: "E aí? Tirou quanto em Química desta vez?". Por mais que estas coisas pareçam amenidades, a carga que se recebe, é enorme. Muitas pessoas colocam expectativas que nem sempre sabemos lidar com elas. A pressão de deixar todo mundo orgulhoso pode atrapalhar nossa forma de entender aquilo que nos é exigido na escola. Quando estudamos, estamos fazendo isso com uma carga de obrigação que não ajuda mais. Precisamos aprender a relaxar frente às dificuldades.

Não digo aqui que não devemos mais ser pressionados. Na verdade, é importante lidar com frustração, com derrota e saber da possibilidade de não conseguir alcançar aquele objetivo, inicialmente. Isto tudo faz parte do crescimento.  Vamos aprender a ganhar e a perder. Quando isto se tornar natural, vamos tratar as dificuldades com mais naturalidade.

Força Sempre!

Por Daniel Japiassú

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Porque Jesus transformou água em vinho?

Certo dia, um amigo que sabe que sou Cristão, me fez esta pergunta (a do título). Segundo ele, se Jesus foi só amor, só pregou o desprendimento do mundo terreno; "doe sua riqueza aos pobres e segue-me"; qual o motivo do primeiro milagre ter sido numa festa, fazendo ou ajudando as pessoas a se embriagarem e se entregarem a certos prazeres mundanos?

Esta, realmente, é uma boa pergunta. Para responder, é preciso entender um pouco da filosofia cristã (ou, ao menos, tentar entender) e compreender o sentido por trás do milagre. A mente humana, rasteira e material, visualiza a transformação da água em vinho como uma manifestação da comemoração vulgar, porém, esta forma de ver, como disse, pertence às mentes humanas mais materias.

Aqui, o sentido das ações de Jesus estão velados, é preciso lançar mão da visão material que temos. Jesus nos mostrou que transformar algo bom - água, fonte de vida - em outra coisa boa - vinho, que combate as doenças do coração, diabetes e alzheimer - é possível dentro de nossas possibilidades. A questão principal aqui é o que fazemos com aquilo que temos de bom. A água é fonte de vida, mas podemos usar para o mal. O vinho, que combate de doenças se consumido moderadamente, pode se transformar em fonte de perdição quando se exagera.

Creio que a ideia do Cristo tenha sido de nos mostrar que todos recebemos coisas boas de Deus, do mundo, da família, da escola, da sociedade; o problema é o que fazemos com essas coisas boas. A responsabilidade é nossa quando fazemos as escolhas erradas. 

O que você faz com os seus poderes?

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Amarelar a Vida

Bela depressão....

O quanto é difícil lidar com as frustrações? Podemos ver, hoje em dia, um número grande de jovens desesperados. São sorrisos lindos e falsos nas redes sociais, tristezas indescritíveis por dentro. Mas qual a causa principal disso tudo? Será que um problema, de quase uma geração inteira pode ser determinado de forma simples? Bem, creio que muito do que aprendemos quando criança aplicamos na fase adolescente e adulta. Se, quando criança, aprendemos a nos frustrar, poderemos lidar melhor com as frustrações do hoje.

Este mês é chamado de SETEMBRO AMARELO, més de combate à depressão e ao suicídio. Alguém me perguntou uma vez: "Como se faz pra combater isso?" Ora, como se faz para combater uma doença? Precisa atacar o que causa a doença. O que pode causar a depressão? Cabe a reflexão pessoal. Eu digo que podemos e devemos nos observar. Dar aos outros o que temos de melhor. E mostrar a todos o melhor que há no mundo. Não para iludir e crer que só existem coisas boas, mas que é possível conviver com equilíbrio. Os problemas são maiores quando o fazemos assim. Uma palavra, uma boa leitura, um sorriso, uma gargalhada numa boa hora.

O ser é construído por ações e pensamentos. Suas ações e seus pensamentos vão dizer quem és. Tua consciência sabe do que você é capaz, ou não, de fazer. Caso um pensamento perverso chegue na sua cabeça, ou algo que você acha que é reprovável, deixe de pensar nisto. Você tem o poder sobre sua mente. Você pode melhorar e passar a ter melhores ideias. Não faça nada que possa te prejudicar!

O conhecimento nos ajuda a crescer. Quando conhecemos, qualquer que seja a coisa, muitas outras passam a fazer mais sentido. Estudar a natureza, a sociedade, o ser humano, a política, as formas de se ligar à Deus, os esportes, as culturas, a música; enfim, muitos elementos nos ajudam a evoluir. O melhor momento pra fazer o que se gosta é agora.

Por Daniel Japiassú

P.S.: FORA TEMER! 

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Liberdade! Liberdade!

Quase dois meses depois venho aqui expressar minha preocupação. Preocupação com as prioridades. Parece que a prioridade é de encontrar culpados. Mas culpados pelo que mesmo? Pelas vais contra Temer (2016) ou os xingamentos contra Dilma (2014)? Que pensamentos extremistas precisamos ter para encontrar uma solução?

O fato é que não sabemos o que fazer com "essa tal liberdade" que custou muito para ter. Daí vem aquele pensamento :"então é melhor não ter liberdade? O controle é a solução?" Seja como for, falar, fazer e pensar o que se quer é melhor do que não ter esses poderes; porém, somos responsáveis por aquilo que falamos e fazemos; nossa consciência nos julga por aquilo que pensamos. Clamamos por coisas que quando conquistamos não sabemos o que fazer com elas.

Ainda não sabemos argumentar sem atingir alguém. Ainda não sabemos entender que as pessoas podem (e devem) ser diferentes. Que o fato de concordar com o investimento nas Universidades Fedarais não faz de mim um PeTralha e o fato de concordar com iniciativas que estimulem empresas privadas a gerar emprego não faz de mim um Coxinha. Eu posso discordar da má distribuição de renda e da soberania dos poderosos perante a má qualidade de vida dos mais pobres. Só não deveria fazer como aquele que critico.

Colegas, vocês se acham superiores? Façam diferente então.

Não sei descrever qual foi a mais preciosa conquista que tivemos no Brasil, mas, sem sombra de dúvidas, uma das mais importantes foi a de poder se expressar livremente.

Por Daniel Japiassú

P.S.: FORA TEMER!

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Assum Triste


"Furaro os óio do Assum Preto Pra ele assim, ai, cantá mió"

Quanta sabedoria presente nesta singela frase de Luiz Gonzaga - o Rei do Baião. Nela se mostra nossa ignorância tremenda. A forma que tratamos a natureza e a forma que tratamos as criaturas menores. Aquela vontade íntima de sempre dominar e sentir que existe algo ou alguém que depende ou é controlado pela nossa força.

Ouvindo esta música nas festas em comemoração a São João, fui pesquisar sobre a história. Não é que ela é verdadeira. O pássaro Assum Preto só canta no escuro. Desta forma, pessoas que querem vender, cegam o pássaro, então ele passa dias cantando e só cantando - na escuridão total. Como ele só "canta", acaba definhando, pois não descansa, não come e não bebe água; acabando por morrer. Mas é só um pássaro. Que esperar dos homens?

Não respeitamos as criaturas menores, como vamos exigir respeito de qualquer que seja a criatura?

Por Daniel Japiassú

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Overdose de Heróis

A vantagem do anonimato é que podemos escrever o que queremos e pouca gente vai ler. Normalmente, aqueles famosos que queremos atingir não se preocupam com anônimos de plantão. Mas fica aquele desejo íntimo de atingir, ainda assim, aqueles que gostam e admiram o famoso. Porém, não tenho esse desejo, quero mesmo é estimular a refletir sobre os motivos de admirarmos certas pessoas. Um artista deve ser admirado como artista. Um atleta deve ser admirado como atleta. Porém, artistas, atletas e outros profissionais passam a falar de coisas que, as vezes, demonstram que não entendem. Daí passam a ser criticados como pessoas ignorantes, pois produzem tão bem os seus talentos e mais nada. Quando nos predispomos a falar para um público, pequeno ou grande, nos colocamos numa perigosa posição: de ser criticado ou elogiado.

Admiro muito o finado Renato Russo, usuário de heroína, alcoólatra, bissexual – para muitos, motivos suficientes para o desprezo social, para ser considerado um marginal; para muitos, um caso triste de talento desperdiçado. Para mim, um dos maiores poetas do Rock Brasileiro, donos das letras mais profundas e das melhores músicas que já pude ouvir, no nosso idioma. Tanto que morreu a quase 20 anos e suas músicas ainda são tocadas, ouvidas, cantadas a plenos pulmões por fãs que nasceram após a sua morte. É importante saber separar a pessoa do artista. O artista pode ser perfeito, a pessoa sempre aparece com muitos defeitos. Renato Russo é um exemplo disso. Cheio de escritos inspiradores, conselhos inspiradores; onde ele mesmo esquecia de seguir.

Posso criticar muitos famosos. Porém, deixarei para você pensar em quem você admira. Tudo que ele fez merece ser defendido, justificado e explicado? Neymar, Bolsonaro, Jean Willys? Algum beira a perfeição?

Por Daniel Japiassú

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Saindo do Conforto

Olá caros leitores. Esses momentos turbulentos nos convidam a tantas reflexões. Podemos falar sobre cada notícia política e judiciária que envolve os bastidores dos que comandam o Brasil. Podia criticar sem dó alguns dos nomes que são sempre citados em notícias chocantes que envolvem tantos exemplos ruins. Porém, quero tratar de coisas mais leves. Precisamos refrescar a mente e o espírito para que possamos caminhar com equilíbrio. Este equilíbrio que é tão difícil de ser encontrado.

Como professor, sempre gosto de buscar reflexões para tirar o melhor do outro e de mim. Porém, sei que para que isto ocorra, é necessário, na verdade, - é imprescindível - que o indivíduo tenha a humildade de reconhecer que precisa caminhar pra frente. O que pode ser dito quando alguém não quer te ouvir? Quando conhecemos nossas limitações passamos a saber até onde podemos chegar. Cada vez que chegamos no nosso limite, a possibilidade de ultrapassar esses limites aumenta. Quando nos acostumamos com a mediocridade não saímos da nossa perigosa  zona de conforto.

Que a nossa zona de conforto nunca chegue e que sempre possamos elevar nossas expectativas conosco. Ser amanhã uma pessoa melhor que hoje. Buscar as melhores coisas que são baratas. Se preocupar com coisas que fazem bem à mente, ao espírito e ao corpo. Renato Russo, numa de suas frases mais reflexivas, dizia: "eu cheguei a conclusão, não adianta consertar o resto (as outras pessoas), consertar a gente, ajuda pra caramba." Frases simples mas de uma dificuldade muito grande para serem aplicadas.

Por Daniel Japiassú